Faltou coragem

Eu te perdi. Hoje acordei, olhei pra cima, quase sem me movimentar, para não perturbar nosso abraço, e vi teus olhos, quase cerrados, buscando por qualquer coisa além do que tínhamos. Ali, eu vi. Não adiantavam as lembranças e todo o carinho que eu te tinha guardado. Aquela noite linda, a luz de velas e o cobertor no chão, não importavam mais. Quando se perde, não faz sentido assim mesmo – um dos dois pode ter todo o amor do mundo pra dar, mas só poderá compartlihá-lo se o outro quiser receber. Tu não querias mais, e era isso.

Eu podia chorar, gritar, te bater e dizer coisas horríveis, o que importaria? Tu podias não ter forças ou vontade para dizer, mas não precisava. Tua falta de presença, estando de corpo colado ao meu, denunciou. Entre nós não havia mais nada além das tantas coisas que ficarão incompreendidas e confusas. Porque é assim mesmo, rapaz, não faz sentido e não tem explicação. Eu sei disso, porque já senti. Chega um momento que acontece um não sei o que e simplesmente a gente desiste antes do outro.

E como dizer? Olha, não é por nada, não, mas eu tô afim de amar outra pessoa. Tava legal, curti, e tal, mas não rola mais. POR QUE? Tu sabes, eu pediria duzentas justificativas, todas por escrito, assinadas e autenticadas. É por isso que, em vez de tomar coragem e me dizer tudo isso, simplesmente te levantas, checando se eu estou acordada (bobo, é claro que estou), e de fininho, sapato na mão e sentimentos no ar, desaparece da minha vida. Eu sei teu endereço e teu sobrenome, mas tu sabes que eu não iria atrás dessas coisas depois disso, e talvez assim seja melhor. Sair da minha vida sem gritos, lágrimas (quantas lágrimas…) e mais lembranças. Melhor ficar na memória aquele último abraço no qual eu dormia, tão tranquila e protegida pelo teu calor.

Pena que só para ti ficará esta como a última memória. Deste ato de bravura, para mim ficou o aperto de te sentir partir e não poder fazer mais nada. As lágrimas, os gritos, se perpetuam por aqui. O amor que tu tinhas garantido e todos os morros que subi pela gente. A decisão sempre foi tua, e sabes o porquê?  Eu posso ter perdido alguém que não me amava, mas você perdeu aquela que tanto te amou de forma verdadeira. Eu estive entregue a nós, desde o início e sempre, com toda a coragem do mundo.

Anúncios

Vamos dançar?

O mundo acaba hoje, eu estarei dançando...” Agridoce

Ela entrou um pouco mais leve do que sempre, cautelosa com seus passos. Observou com mais atenção cada detalhe, o piso de madeira, as cortinas de algodão, a porcelana do banheiro. Fitou-o com olhos mais vigilantes, também, e passou um pouco mais tempo que o de costume em completo silêncio. Ele chegou a questionar o porquê, mas já sabia. Estavam perdidos.

Aquela noite era muito provavelmente a última valsa de amor e não havia como prever o que haveria na manhã seguinte. A polícia, talvez, viesse à procura dela. Helicópteros quiçá pousassem no terraço, causando alvoroço pelo bairro. Detetives bisbilhotando à solta. Um simples adeus resolveria tudo, mas quem está pronto para isso?

Ela fez uma proposta. E ele aceitou. Choraram alguns litros, recolheram seus pedaços e, sob a melhor melodia que tocava no rádio, dançaram como se não houvesse amanhã.

Amor à primeira vista

(ou, em tempos tecnológicos, Spotted)

Entre mil bocas e olhos e olhares, e tanta gente que pode nos chamar atenção em meio à multidão, te vi. As lágrimas do tempo nublado haviam deixado teus cabelos cor de mel encharcados. Te emprestei meu guarda-chuva e me devolveste um sorriso torto – e lindo.

Logo após, sumiu.  Quero tê-lo novamente. Não, o guarda-chuva não. O sorriso. Por ele, não me importo de passar o resto dos meus dias a me molhar com os pingos que caem do céu…

 

Essa é pra você.

Não, na verdade não é. Imagina como seria bobo e precipitado escrever pra você agora, rapaz. Então se vierem me perguntar, estou escrevendo prum moço qualquer, não pra você. Tá? Porque eu sei que você não demonstra todos os seus sentimentos e que às vezes deixa de ligar pra eu não achar que você está totalmente na minha. Porque às vezes você me nega um sorriso e briga comigo e logo desiste porque é orgulhoso, mas não tanto quanto eu. Porque eu sei que você me ama mas não diz e você sabe que eu te amo e eu não te digo. E enquanto estamos nessa ciranda, imagina que esquisito seria dedicar uns versinhos-não-rimados-em-prosa pra ti. E como eu tendo a exagerar em tudo que sai em papel, você ia me achar uma louca e fugir. E eu nunca teria a chance de dizer que você é tão lindo e meu que dói. Dói porque dá um medo enorme ter um sentimento desses por alguém. Dói porque a gente tem que jogar o joguinho da conquista e fingir que tá tudo bem. Dói porque eu quero estampar o nosso retrato com você sorrindo ao meu lado cidade afora. Dói porque não dá pra gritar pro mundo. O mundo não tá nem aí e amanhã eu tenho que acordar cedo – e você também. Então deixa pra lá. Dessa vez, não deu praquele moço qualquer. Terminei de escrever e meus (não-)versos são só seus…

Esperança

E mais uma entrava naquela lista. Passado, trancado em uma caixa, sem oxigênio para respirar. Estava morto mais um relacionamento. Após primaveras e outonos, suportou tanta coisa, quem poderia imaginar que aquela tempestade seria sua última? E agora – caos.

O coração vai entrando naquele estado de transe-proteção-total-contra-tudo-e-todos. Não quer mais se machucar. E alguém o culpa? As folhas caem e ninguém está lá para colocá-las de volta no lugar. Não é sequer possível, o que se esvai perde a vida tão rapidamente quanto um impulso mal dado ou uma palavra mal dita – maldita.

O tempo passa e a dor fica. Ele nem percebe, mas vai deixando passar um ou outro sorriso por entre as lágrimas. Ele nem vê que, de vez em quando, se encontra pensando em uma tal-qualquer-menina chamada Rosa. E, através de seus olhos cegos de Saramago, vê desabrochar no meio do asfalto um novo amor.

Quem diria que outra – perfeita – flor nasceria em meio a tão angustiante cenário?

Porque quando sinto, escrevo

Andei percebendo algumas coisas nesses dias. Um dia desses eu estava andando de um lado pro outro, de um lado pro outro, de um lado pra outro, e encontrei alguém. Não nos amamos, não nos tocamos, nem nos falamos. Mas sabíamos. Sabíamos feito raios de sol. Aquele dia estaria marcado como o nosso dia. E, constatei, tu tinhas noção desse fato. Conversamos e foi tão lindo até que deixou de ser. Eu esperava que fosse demais quando… nada. E éramos tão perfeitos e feitos um para o outro. Vigiava e planejava e os sorrisos se tornavam mais escassos. A gente quer que dê certo, mas tem que dar pros dois, né? E aí eu tentei fazer dar certo pra ti também, mas sabe como é, sempre tem coisas inadiáveis a serem feitas e um colega precisando de uma ajuda e uma tarefa de casa da escola. Aí as coisas vão passando e se esvaindo tão rápido… não temos tempo, não temos tempo. O dia é muito curto e o que não é prioridade acaba (não) sendo. Porque quando a gente planeja, é trabalho, é estudo, é dinheiro, é casa, é apartamento, é carro, é cartão. Mas só de crédito, hein? Cartão de amor, nem pensar, só amanhã! E como demora pra esse amanhã chegar…

Meu Rio Grande!

Homenagem ao meu Rio Grande do Sul, local que será, por mim, sempre querido. Sinto muito orgulho de fazer parte de uma terra que, desde sempre, compartilha conosco uma história de lutas e vitórias. Um local tão diversificado, com paisagens e uma cultura que une todos os gaúchos no mesmo sentimento de amor e carinho por nosso Rio Grande.

Hino do Estado do Rio Grande do Sul
Como aurora precursora
Do farol da divindade
Foi o vinte de setembro
O precursor da liberdade

Mostremos valor constância
Nesta ímpia injusta guerra
Sirvam nossas façanhas
De modelo a toda terra
De modelo a toda terra
Sirvam nossas façanhas
De modelo a toda terra

Mas não basta pra ser livre
Ser forte, aguerrido e bravo
Povo que não tem virtude
Acaba por ser escravo








Eu sou do sul, é só olhar pra ver que eu sou do sul, a minha terra tem um céu azul, é só olhar e ver que eu sou do sul! ♫