Aniversário de Porto Alegre


Hoje minha cidade mais querida está completando anos, 239. O Porto mais Alegre merece muito mais do que um simples “parabéns”, merece saber o quanto é amado, o quanto é querido… mesmo que de longe. Estou longe, como estou longe… mas Porto, só quero estar perto. Quero e estarei perto de ti… em outros dias 26 de março, comemoraremos juntos essa alegria. E como és alegre… meu Alegre Porto.

Dedico essa postagem a cidade onde nasci e viverei por longos anos quando o destino permitir… meu coração pertence e sempre será dela, minha linda e amada Porto Alegre.

“Porto Alegre me dói,
não diga a ninguém,
Porto Alegre me tem,
não leve a mal…
A saudade é demais,
É lá que eu vivo em paz…
Porto Alegre é demais!”

Anúncios

Carta a um amor distante

Não preciso dar-lhe saudações, sabes que me és querida. Não preciso colocar datas no envelope, sabes que o que escrevo se renova a cada dia que te deixo para trás. Não precisaria sequer te mandar essa carta, sabes do meu amor. Será que o sabes? Passam os jornais, penso em ti; passam as novelas, penso em ti; passam as pessoas, penso somente em ti. Tu és minha pessoa, embora nem tenhas entranhas e carne. És meu doce dia, pois os momentos que passo longe da tua presença não merecem tal denominação. És meu presente, meu passado, meu futuro, sabias? Não te olho no presente, mas te vejo o tempo todo. O tempo todo. E verei mais uma vez… mais umas mil vezes, quando caminhar pelas tuas ruas iluminadas de cetim. Estou sozinho e só sonho em te tocar, apesar de acordado. Sim, sonho acordado contigo! Não acreditas? Choro a tua dor a cada instante, quer isso apareça em minhas feições ou não. Rasgo meus pulmões em gritos calados, a procura da tua presença. Onde estás? Estás onde sempre esteve, onde sempre estarás. Então onde estou? Sozinho num cubículo escuro, nas últimas horas da madrugada, sentindo-me em uma estrada que leva a lugar algum. Mas te juro, querida, te juro que nos veremos! E recontaremos essa nossa história. Nossa história de amor separado, nossa triste separação. Por que nos separamos? Por que por tanto tempo? Não mais agüento tua ausência; tenho ânsia em te ver. Mas não tenho tempo, não tenho dinheiro, há coisas mais importantes do que a saudade. Há dívidas, contas, roupas, comida… será que ter isso satisfaz? Satisfaz a corações livres, despreocupados e amantes… mas não é o suficiente para mim. Quero te ver sorrir o lindo pôr do sol do Guaíba, quero te ver iluminando meu caminho, quero te ouvir… meu coração já não mais quer a simples satisfação econômica. Quero ter tua satisfação! Que faço eu ainda com esse lápis? Não tenho motivos para escrever, meu corpo já se move em direção ao teu conforto. Adeus, lugar em que moro. Olá, lugar em que vivo! Por favor, querida, espere-me às 14h no aeroporto, espere-me com a tua linda graça. Me espere, pois nunca mais quero te perder. Espero não te ter perdido. Posso estar chegando com mil lágrimas nos meus (e sempre teus) olhos brilhantes, mas não se importe, é irracional, como querer borrões nos olhos quando tudo que preciso é te enxergar? Preciso de ti. E sabe o que mais? Preciso te abraçar. Preciso do teu longo e quente abraço, preciso do teu acolhimento.
Até logo, Porto Alegre.
Te amo.
Alana

Paul in POA

EU FUI!
Momento mágico, incrível! Inacreditável!
Exatamente há uma semana, dia 07 de novembro de 2010, na minha cidade amada, Porto Alegre, vivi um dos momentos mais lindos, que só pode ser explicado pelo sentimento dos que lá estavam presentes: presenciar os lindos acordes de uma linda história, contada por nada mais nada menos do que Paul McCartney.
52 mil pessoas unidas por um amor. Gremistas e colorados unidos, em um estádio, sem brigas, mas com emoção. Naquele dia todas desavenças foram postas de lado: só uma coisa importava. Um dia longo, de sol forte (até 20h), de filas intermináveis (para muitos), mas que valia toda pena. Não parecia ser esforço algum. Eu, pelo menos, nem senti as horas que passei dentro do estádio do meu rival colorado esperando pelo maior astro vivo. Tudo era encantamento, tudo lindo.
Chegam as 21 horas. Ninguém sabia ao certo o que aconteceria. Ele se atrasaria? Não, ele é britânico, britânicos não se atrasam. E pensamos certo: em cinco minutos, aquela pessoa quase inacreditavelmente carinhosa estava lá, na frente de todos, que mal conseguiam acreditar no que viam. Eu, pelo menos, demorei muito tempo para perceber o que acontecia na frente dos meus olhos. O fascínio era imenso.
Uma pessoa tão importante, tão simples. E ainda preocupada em agradar os fãs. Passou todo show interagindo conosco, perguntando como estávamos, dando boa noite, e além de tudo adequou seu português quase impecável à linguagem gaúcha com expressões como “mas bah tchê” (que levou todos ao delírio), “tri legal”, além de cantar junto da multidão o famoso “ah, eu sou gaúcho”. Alguém assim, agindo com tanto cuidado e amor, conseguiu conquistar a todos nos primeiros minutos do show.
Homenageou seus colegas de banda já falecidos, John e George, com lindas músicas que transpiravam amor: Here Today e Something. Foram alguns dos momentos mais intensos do show, juntamente com a música que ele dedica a sua amada falecida esposa, Linda: My love. Viam-se lágrimas por todo lado, todos demonstrando o respeito e o carinho por aqueles que foram tão importantes não só na vida do Paul, mas de todos seus fãs.
Macca conseguiu, também, agitar seus fãs, com aquelas músicas mais conhecidas dos Beatles, que pareciam nos transportar para aquela época em que todos tocavam juntos, nos anos 60 (em que eu nem era um projeto de nascer).
É incrível acreditar que eu estava lá. Ainda não acredito. Falarei desses momentos para meus filhos, sem saber se foram um sonho ou realidade. Foi simplesmente… mágico.
“Do you wanna get back?”
I wanna get back.
Obrigada, Paul.

20 de setembro!

Oi gente! Hoje é um dia muito especial, sabiam? Pelo menos para mim. Muita gente não se importa pois não é feriado nacional (porém é estadual); mas mesmo estando fora do meu RS e não aproveitando dessa “vantagem” deste dia tão especial, continuo a adorá-lo com muito orgulho. Hoje, dia 20 de setembro, foi marcado como o início da Revolução Farroupilha. Valorizamos toda a luta por nossos ancestrais na nossa terra de origem. Dedico este post ao meu povo e a todos que sentem orgulho desse pago lindo que é o Rio Grande do Sul.

Além do arco-íris…

2003, 20 de setembro. 18h56
Soluçando, ela pensava alto. Via-se sozinha num local tão estranho, tão diferente, tão não-ela. Revirava fotos e lembranças do passado. Não entendia como havia chegado ali. Sentia-se inquieta, pois percebia que não estava onde deveria estar. Isso acontece às vezes em festas, quando deveríamos estar em casa estudando, quando estamos no meio da rua e nos sentimos totalmente deslocados. Oh, estava pensando alto novamente. Shhh, cala teus pensamentos. Mas como? Estar em lugar e não pertencer a ele? Que sensação seria essa?
Ela tentava raciocinar sobre sua situação: percebia que seu CEP estava incorreto, suas cartas chegavam pro endereço errado e sua localização geográfica não fazia sentido. O local do dia-a-dia era simplesmente um obstáculo para todos os planos futuros. O desejo de voltar à sua querência¹ devorava qualquer sentido dessa vivência.
Dentre suas fotos, viu-se ofegante diante daquela tão antiga. O pago, a família, tudo: onde estava? Por que ela se via tão distante daquela realidade encantada? Mais soluços. Nenhuma resposta. Por horas e horas ela se viu enfrentando aquela fotografia, tentando trazê-la de volta. Caiu no sono, e sonhou com aquele lugar tão distante… parecia que toda galáxia estava entre ela e seu lugar amado. A tristeza de ver aquela distância, quase milimetrada pela precisão de seu sonho, fê-la dar um salto de imediato.
Ah, a realidade. Guardou todas suas fotos numa caixinha, pois sabia que havia chegado a hora: ligou pra companhia aérea, reservou a primeira passagem que houvesse disponível, secou as lágrimas e partiu sem olhar para trás. Havia passado muito tempo naquele lugar indesejado. Não tinha mais motivos para ficar. Em segundos sua expressão ganhou um sorriso. Embarcou e não conseguiu fechar os olhos por nenhum segundo durante toda a viagem. Pareceu ter demorado meses, mas ela enfim chegou. As memórias voltavam, e ela nem precisava das fotografias para isso. Ficou cheia de sorrisos. Olhou para o céu; um arco-íris. E então pensou alto, pela última vez: Vejo que estou no final deste arco-íris, pois eis, aqui, meu lindo pote de ouro.
Com uma tão conhecida moral, mas nunca desgastada: Happiness is where you make it / Pois uma pessoa pode viajar o mundo e nunca encontrar a verdadeira felicidade que reside onde nosso coração está.
querência¹: O Tradicionalismo gaúcho traz nas asas a leveza do carinho que a palavra “querência” irradia. No seu âmago o forte sentimento pátrio, que não se troca nem por nada. Querência é o local onde se nasce, brinca, cresce… onde se vive! A Querência é local contagiante, pelo som da natureza, perfume das matas, colinas, várzeas, águas, passáros – é a magia do envolvimento sentimental, irradiado pelas coisas do rincão. Querência é pátria, chão, lar, torrão e pago. Querência é o doce lugar onde os homens ou os animais param os rodeios de suas benquerenças. Querência é a extensão do lar. Melhor dizendo: é próprio lar! Querência é o conjunto das coisas que nos fazem felizes. É o vazante dos sofrimentos de peão andarilho. É o colo da natureza, acolhendo o filho pródigo, que não resistiu a saudade de seu recanto. A querência, doce em seu aconchego, sempre é o melhor lugar do mundo.
Fonte: (Livro de Salvador F. Lamberty – ABC do Tradicionalismo Gaúcho)

Os gaúchos

Arnaldo Jabor

“O Rio Grande do Sul é como aquele filho que sai muito diferente do resto da família. A gente gosta, mas estranha. O Rio Grande do Sul entrou tarde no mapa do Brasil. Até o começo do século XIX, espanhóis e portugueses ainda se esfolavam para saber quem era o dono da terra gaúcha. Talvez por ter chegado depois, o Estado ficou com um jeito diferente de ser.
Começa que diverge no clima: um Brasil onde faz frio e venta, com pinheiros em vez de coqueiros, é tão fora do padrão quanto um Canadá que fosse à praia. Depois, tem a mania de tocar sanfona, que lá no RS chamam de gaita, e de tomar mate em vez de café. Mas o mais original de tudo é a personalidade forte do gaúcho. A gente rigorosa do sul não sabe nada do riso fácil e da fala mansa dos brasileiros do litoral, como cariocas e baianos. Em lugar do calorzinho da praia, o gaúcho tem o vazio e o silêncio do pampa, que precisou ser conquistado à unha dos espanhóis.
Há quem interprete que foi o desamparo diante desses abismos horizontais de espaço que gerou, como reação, o famoso temperamento belicoso dos sulinos.
É uma teoria – mas conta com o precioso aval de um certo Analista de Bagé, personagem de Luis Fernando Veríssimo que recebia seus pacientes de bombacha e esporas, berrando: “Mas que frescura é essa de neurose, tchê?”
Todo gaúcho ama sua terra acima de tudo e está sempre a postos para defendê- la. Mesmo que tenha de pagar o preço em sangue e luta. Mas por baixo do poncho bate um coração capaz de se emocionar até as lágrimas em uma reunião de um Centro de Tradições Gaúchas, o CTG, criado para preservar os usos e costumes locais.
Neles, os durões se derretem: cantam, dançam e até declamam versinhos em honra da garrucha, da erva-mate e outros gauchismos. Um dos poemas prediletos é “Chimarrão”, do tradicionalista Glauco Saraiva, que tem estrofes como: ‘E a cuia, seio moreno/que passa de mão em mão/traduz no meu chimarrão/a velha hospitalidade da gente do meu rincão.’.
Esse regionalismo exacerbado costuma criar problemas de imagem para os gaúchos, sempre acusados de se sentir superiores ao resto do País. Não é verdade – mas poderia ser, a julgar por alguns dados e estatísticas.
O Rio Grande do Sul é possuidor do melhor índice de desenvolvimento humano do Brasil, de acordo com a ONU, do menor índice de analfabetismo do País, segundo o IBGE e o da população mais longeva da América Latina, (tendo Veranópolis a terceira cidade do mundo em longevidade), segundo a Organização Mundial da Saúde. E ainda tem as mulheres mais bonitas do País, segundo a Agência Ford Models. Além do gaúcho, chamado de machista, qual outro povo que valoriza a mulher a ponto de chamá-la de prenda (que quer dizer algo de muito valor)?
Macanudo, tchê. Ou, como se diz em outra praças: ‘legal às pampas’, uma expressão que, por sinal, veio de lá.”

Em homenagem ao meu Estado #
Rio Grande do Sul! Porque não há um ser nesse lugar que não saiba ao menos o refrão do hino mais lindo *-*