De quem tanto te ama

Sabe aquela frase tão batida e linda e meiga de “O Pequeno Príncipe”, “se tu vens às quatro da tarde, desde às três começo a ser feliz?”. Não, não sabe, mas enfim… Eu achava perfeita, compartilhava em status de facebook, lia, relia, trilia, até que… tu chegaste. Hoje, ontem, e cada vez mais, me vejo em um tão tão distante de uma realidade como essa descrita. Queria eu a calmaria desse amor doce e sereno que se contenta com a eminência da presença do outro. Pra mim, não é – mais – assim. É terremoto, vulcão, três horas da tarde parece cinco da manhã para chegar até às benditas quatro batidas do ponteiro. O amor que me era tão pacato hoje me balança me afeta me agita e me empurra cada vez mais forte para fora desse poço tranquilo à La Cazuza. A sorte de um amor tranquilo? Eu quero é o que tu me causas, esse turbilhão com gosto de ‘te ver uma, duas ou três vezes numa semana não basta’, ‘te beijar mil cento e duas vezes não basta’, ‘te abraçar, se não for beeeeeeem apertado, não basta mesmo’. E você me acha boba por ficar escrevendo essas coisas, eu sei, mas tudo que eu queria era quebrar as leis da física e te ter ainda um pouco mais perto do que nos é possível. E você reclama que eu nunca sei o que fazer e que fico em dúvida sobre muita coisa e reclama que, olha que absurdo, eu gosto “demais” de cada pedacinho de você! Desculpe, mas sua imagem me distrai tanto que fica difícil ou até desnecessário focar em qualquer outra coisa. Ok, eu não quero focar em qualquer outra coisa porque é assim que eu te amo. E se o nosso point de encontro é um estacionamento de supermercado ou uma mansão no Caribe eu não to nem aí. E se você ama O Rappa eu não to nem aí também. E se a gente não tem nada a ver, o que que importa? Já cheguei a achar que, para alguma coisa dar certo, tinha que achar alguém igual a mim. Dá um tédio enorme pensar igual, fazer igual, crescer igual. Eu quero é essa combinação que soma a cada coisinha na qual discordamos ou sobre a qual discutimos, por mais boba que seja. “Pra não faltar amor”, é assim que tem que ser. É com você que tem que ser.

 

De quem tanto te ama. 😉

Anúncios

Por que será que os opostos se atraem?

O encanto foi de cara – aqueles dois olhos imensamente azuis mergulharam nos seus, tão castanhos, e fizeram o máximo de estrago possível (e em tempo recorde!). Era pensamento nele, pensamento nela, vinte e oito horas por dia. E as borboletas parecem mais gaviões que remexem e confundem tudo que se mistura lá dentro deles. Fogo. Ninguém sabe o porquê – ou o como – mas a menina-quase-mulher-quase-inocente-e-doce e o homem-forte-e-decidido, com absolutamente nada em comum, decidiram que não conseguem sequer pensar em desistir um do outro. Armado até os pés, esse moço a arrebata sem que ela possa voltar atrás; e ela, clamando por paz e amor ou qualquer outra ideologia a la John Lennon, prende-o e resgata nele qualquer esperança de mergulhar, ainda, em um amor verdadeiro. E quem ganha essa batalha? Ninguém ou os dois, tanto faz, essa história não tem futuro – disseram. Ela o faz acreditar, ele a faz sonhar, mas no plano da realidade, isso funciona? Tem tudo pra dar errado, mas faz seu coração bater mais rápido… E por isso vale a pena.

~AlanaDriziê

Eternidade (ou não)

– Oh, mas que belos olhos, quão admirável boca.
Ele pensava… Acho que é assim mesmo, duas pessoas passam uma pela outra em uma madrugada escura e ficam pensando em um pra sempre, um ao lado do outro, e simplesmente sabem. Sabem o quê?
Bem, sabem que recordarão daquele rosto pelas próximas cinco madrugadas, sabem que pensarão, em vão, nas vastas possibilidades que um gesto um pouco diferente poderia ter ocasionado naquela noite escura, sabem que invadirão espaços nas próximas manhãs, de olhar cansado, procurando sem cessar por aquela imagem (pseudo)inesquecível.
– Por que somente pelas próximas cinco madrugadas?
                Alguém curioso indaga. Porque é sempre assim. Sim, sempre. Tu nunca percebeste? A gente se apaixona perdidamente uma vez, duas, quatro… em um só mês. Em uma só semana. Refutas? Então se explique (e até o presente momento me pergunto o porquê de tê-lo questionado, pois passei as últimas duas horas ouvindo um longo discurso sobre o amor eterno, o casamento e tantas outras instituições).
                Mas, meu caro leitor, quem te disse que estamos de lados opostos? Eu diria, quase, que estamos do mesmo lado. Eu consideraria, até, que nos apaixonamos todos os dias. Pode ser pela recepcionista do escritório, o pintor da obra, a menina dos olhos belos da madrugada, quem sabe? Ainda não entendeste? Explico!
Podemos nos apaixonar sempre pelas mesmas pessoas, ou por outros indivíduos. Isso depende de nós, dos outros e de tantos outros pequenos detalhes que aparecem no nosso cenário. E se eu te contar que aquele moço lá em cima casou-se com aquela passante? Eles se apaixonaram outra vez. E mais umas dez mil vezes até hoje. Eis aí o segredo da eternidade.

Tapar Buracos

“Seria apenas mais uma história, se não tivesse tocado a alma.” Caio F. Abreu

Eles se conheciam desde a maternidade, compartilharam a infância, o amadurecimento. Estavam assim até hoje. Assim, ele cochichou no ouvido dela:

– Você não acha que nós ficaríamos bem juntos?

Num pestanejar de olhos, ela pensou: sim, com certeza, ficaríamos lindos juntos. Tu, com esse teu ar de amor, com essa tua beleza única, com esse olhar encantado e com todas as outras coisinhas que eu sempre percebo quando cruzo por ti. Achas que nunca pensei nisso? Pensei sempre, todas as vezezinhas (e foram tantas!) que nos vimos ao longo dos anos. Refleti sobre como somos parecidos, como combinaríamos se, quem sabe, algum dia, amanhã ou nunca, tu fizesses tal proposta. Não brigaríamos por besteiras, não acabaríamos uma conversa sem risadas, não teríamos que bancar de galanteadores nesse novo amor, e aposto que não nos separaríamos nunca. Seríamos perfeitos.

Só que hoje, lembra do que me constaste? Hoje tu estavas frágil, tu tinhas perdido um grande amor. Hoje, tu não estavas com um sorriso no rosto na primeira vez em que te vi. Estavas magoado, e te consolei. Seria esse novo amor nosso mais um consolo? Oh! Que trágico. Como resolver um grande dilema de vida? Como te amo, como te quero, e como hoje tu me queres, percebo, mas será que ainda estarás inclinado por mim no amanhecer? Estou te servindo para esquecimento de um passado ou para a construção de um futuro? Por que me questiona disso justo hoje? Mas que timing, o teu! Hoje não dá. Hoje não posso. Não podemos. Não se quisermos uma casinha com um jardim cheio de girassóis daqui a alguns anos. Hoje tu não me queres, queres minha bondade, meu amor e minha fraqueza, sem retribuição. Queres apenas que eu te sirva como uns copos de bebida, afogando as lágrimas do momento. Se fosses me querer ontem, um outro hoje, talvez amanhã ou no mês que vem, agarrar-te-ia até meu último suspiro. Hoje, engulo meu amor e te respondo:

– Talvez, mas já estou de saída. Nos vemos depois!

Gavetas

weheartit
Olho pro lado e vejo: meu armário. Que importância teria? Um armário desarrumado em uma casa qualquer, talvez tão diferente ou tão parecida ou irrelevantemente igual a qualquer uma outra. E daí? Começo a procurar por sentimentos rasgados e juras esquecidas: nossa, como é difícil. Onde estão, onde estão? Blusas novas encobrem tecidos que carregam lembranças; as saias, longe de serem leves como o vento, escondem as memórias carregadas; meias se enrolam com o passado, entrelaçam tantas outras coisinhas misturadas. Enfim, ali fora: nada encontro. Aqui dentro, parece que também está assim: um guarda-roupa em completa desordem. São tantos laços e fitas que unem os mais diversos gostos e amantes… onde estão, aqui, os compartimentos para organizar meus sentimentos? Onde estão as pilhas que servem apenas para guardar as roupas velhas, as caixinhas que nunca são abertas? Parece-me que tudo está sempre tão exposto… onde estão as nossas gavetas?

*pequena reflexão

A (triste) escritora louca

Como transcrevo a dor? É assim: a dor acontece. Percebo que as pessoas não são tão perfeitas como eu achava. Decepciono-me com o mundo ao meu redor. Choro. Quando não é suficiente, grito. Quando não é suficiente, escrevo. Assim que começo.

Depois penso. Penso se estou exagerando, se não é tudo um sonho. Penso se deveria mesmo pôr aquele ser à perfeição, esperando nada mais do que o bem sempre. Penso se estou certa ao agir assim. Penso na minha tristeza. É assim que desenrolo as palavras.

Tento encontrar vocábulos para expressar o que sinto; quando não encontro, mais ainda me entristeço. Às vezes, até aumento minha dor. Sabe, às vezes até te engano e tu achas que sou tão triste assim. É, às vezes nem sou tão triste, sou apenas mágoa. Entro na dor maior que a minha, embarco nos meus escritos e me sinto pior do que antes. E assim continuo.

Me desespero e erro. Rasgo pensamentos e quebro ilusões. Pego um pedaço de papel e uma porção da dor. Assim termino de escrever linhas de mágoa. E quanto alívio sinto!…

A saudade e seus significados

Ah, a saudade. É o sentimento dos sentimentos. Uma mistura de espera e angústia e tristeza e passado e dor e desespero e raiva e amor e coração e vontade e esperança e todas aquelas coisas fortes demais para serem ignoradas. Junção de noites frias com cobertas quentes com TV ligada e música alta e pensamentos longe dali. Choro silencioso no meio da madrugada cheia de estrelas e de lua cheia. É um sentimento que quase ninguém ao teu redor vê ou percebe. É quieto fora, profundo dentro.

Saudade é medo. Medo que aquilo mude e tu não possas fazer nada contra, pois a distância diminui tua ligação (mas aumenta seu sentimento); medo de mudar também, de se refazer e não poder mais voltar atrás devido ao tempo. Medo de não reconhecer traços, medo de esquecer partes ou fragmentos ou pedaços daquela vida.

Sempre uma insatisfação: nada é suficiente. Tu vives, tens emprego, tens uma casa, uma família, uns dois amigos, estudas num local bom, és inteligente, bonita e encantadora. Não basta. Dói, e como dói. Tua dor dói tanto e é tão insuperável e imensurável e incurável e são tantos “ins” que nem prossigo. É a dor das dores.

E como dói de vez em quando, sempre, ontem, hoje, amanhã ou às vezes! E como são tantas as nossas saudades… e tantas são as misturas que o liquidificador da vida pode fazer entre teus sentimentos saudosos…

Cada mistura mais amarga que outra…