What about love?

Heart

I’ve been lonely, I’ve been waiting for you
I’m pretending and that’s all I can do
The love I’m sending ain’t making it through to your heart
You’ve been hiding – never letting it show
Always trying to keep it under control
You got it down and you’re well on the way to the top
But there’s something that you forgot
What about love?
Don’t you want someone to care about you?
What about love?
Don’t let it slip away!
What about love?
I only want to share it with you
You might need it some day
I can’t tell you what you’re feeling inside
I can’t sell you what you don’t want to buy
Something’s missing and you got to look back on your life
You know something here just ain’t right
What about love
Don’t you want someone to care about you
What about love
Don’t let it slip away
What about love
I only want to share it with you

Anúncios

Dia da poesia.

(Luiz Vaz de Camões)

Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer;

É um não querer mais que bem querer;
É solitário andar por entre a gente;
É nunca contentar-se de contente;
É cuidar que se ganha em se perder;

É querer estar preso por vontade;
É servir a quem vence, o vencedor;
É ter com quem nos mata lealdade.

Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade,
se tão contrário a si é o mesmo Amor?

“A mulher antes e depois da Bíblia é pois enciclopédia natural; ciência infusa, inconciente, infensa a testes, fulgurante no simples manifestar-se, chegado o momento. Há que aprender com as mulheres as finezas finíssimas do namoro. O homem nasce ignorante, vive ignorante, às vezes morre três vezes ignorante de seu coração e da maneira de usá-lo. Só a mulher (como explicar?) entende certas coisas que não são para entender. São para aspirar como essência, ou nem assim. Elas aspiram o segredo do mundo.”
(Aos namorados do Brasil – Carlos Drummond de Andrade)

“Olhe, tenho uma alma muito prolixa e uso poucas palavras. Sou irritável e firo facilmente. Também sou muito calmo e perdôo logo. Não esqueço nunca. Mas há poucas coisas de que eu me lembre.”
Clarice Lispector